[Resenha] Serafina e a capa preta - Robert Beatty

Compare e compreAdicione ao skoob

     “Serafina e a capa preta”; autor: Robert Beatty; editora: Valentina; 235 páginas.
     Até então Serafina só sabia uma coisa sobre si mesma: ela era a C.O.R (Caçadora Oficial de Ratos) da Mansão Biltmore, onde ela e seu pai utilizavam o porão como moradia sem que ninguém soubesse. Apesar de uma vida solitária, ela ficava feliz por ter uma responsabilidade, uma atividade na qual era muito boa. Mas as coisas mudam quando a rotina da mansão é interrompida por um mistério: as crianças começaram a desaparecer e ninguém sabia do paradeiro e nem quem era o sequestrador. Mas dessa segunda parte, Serafina tinha um breve vislumbre, pois em uma de suas caçadas ela da de cara com o sequestrador, um homem horripilante de capa preta e com cheiro podre. Nesse primeiro encontro, ela vê Clara, uma das jovens da mansão, ser levada. Serafina tenta impedir, mas por pouco não é levada também.

[Resenha] As cores do entardecer – Julie Kibler

Compare e compreAdicione ao skoob
Olá leitores, como estão? Hoje trago em minha resenha um livro da autora Julie Kibler chamado “As cores do entardecer”- Lembranças de um tempo que não terminou, publicado pela editora “Novo Conceito” em 2015, a obra possui 349 páginas.
A história se passa em dois períodos, nos tempos atuais e também na década de 30 nos Estados Unidos. No livro é narrada em primeira pessoa a trajetória da personagem Miss Isabelle McAllister e também a de sua amiga Dorrie Curtis.
Dorrie é cabeleireira e conheceu Miss Isabelle quando começou a cuidar de seus cabelos. E desse encontro surgiu uma bonita e verdadeira amizade.
Miss Isabelle pede um grande favor a Dorrie: acompanha-la em um enterro. E, é nesta viagem que a jovem senhora de 89 anos começa a contar a amiga sua fascinante história de vida.

[Resenha] Brilho eterno - Edna Nunes

Compre com a autoraAdicione ao skoob

  “Brilho eterno”; autora: Edna Nunes; Publicação Independente; 285 páginas.
     Preciso começar essa resenha diferente.
     Eu tenho certeza que esse livro é realmente emocionante do começo ao fim, mas para mim foi ainda mais, pois me vi na história em alguns momentos e isso tornou a leitura instigante e ao mesmo tempo dolorosa. Como se eu tivesse o livro da minha vida, tendo escrito o meu futuro. Como qualquer um, fiquei ansiosa para saber o que iria acontecer e, ao mesmo tempo, com medo. E foi bem isso que aconteceu. Um livro que geralmente eu levaria pouquíssimo tempo para ler, eu levei o dobro do tempo por ter que parar quando não segurava as lágrimas e elas embaçavam minha visão, impossibilitando continuar. Gente, esse livro falou comigo e terei um carinho eterno com ele. Desabafos a parte, vamos falar sobre a história dele.

[Resenha] Achados e perdidos - Stephen King

Compare e compreAdicione ao skoob
Olá! Como Estão? Hoje gostaria de dividir minhas impressões com vocês sobre o livro “Achados e Perdidos”, do autor Stephen King, que é o segundo volume da trilogia “Mr. Mercedes”, lançado pela editora Suma de Letras.
Nesse segundo volume o foco da história não é o assassino da Mercedes, e sim um novo mistério para o detetive aposentado Hodges e seus ajudantes decifrarem. A trama é narrada em dois tempos.
Em 1978, Morris, um jovem apaixonado pelos livros do autor John Rothstein, junto com alguns colegas acaba assassinando o famoso escritor a sangue frio. De seu cofre eles roubam uma ótima quantia em dinheiro e vários livros do autor que ainda não foram publicados. Morris se sente muito afortunado por ser o único a ter esses exemplares.
Porém, ele sente que está correndo perigo, e que seu crime pode ser descoberto, então ele resolve enterrar esses livros e o dinheiro em seu quintal, pelo menos até se sentir seguro novamente.

[Entrevista] Escritora: Gê Benjamim

     Gê Benjamim tem 20 anos e mora em São Paulo. Ela é autora de vários livros pela Amazon e recentemente ganhou publicação tradicional de seu livro de contos de terror "Onde habitam as trevas", pela Editora Skull. O livro já está em pré venda e você poderá conferir a resenha dele na primeira edição da nossa revista Códice que será disponibilizada no dia 1º. Enquanto isso, vamos conhecer melhor essa escritora super talentosa?

Doação de Livros do mês de Abril/2018

Doação de Livros do mês de Abril/2018


     Olá, leitores!
    Infelizmente não conseguimos entregar uma grande lista para vocês esse mês, pois como sabem, dependemos de colaborações. Então já começo pedindo para aqueles que puderem colaborar ou mesmo divulgar para pessoas que possam ajudar com o projeto. Seria de imensa ajuda e eu já agradeço muito.
     Meus agradecimentos a autora Diana Scarpine por ceder um exemplar de sua autoria para o projeto, muito obrigada ♥
     Agora vamos para a lista?!

[Look literário] #26 Ana (Céu de menta - Camila Martins)


     O look de hoje é inspirado em Ana, a protagonista de “Céu de Menta”, o mais recente lançamento da autora Camila Martins. Ela é uma adolescente espectro autista, por isso Ana tem um jeitinho diferente e especial de encarar o mundo. Romântica e com um dom natural pela música, ela vai descobrir o amor, a amizade e enfrentar os desafios e dilemas dessa fase da vida. Confira a resenha desse livro clicando >>aqui<<.

[Poema] Resiliênciando #3

Poema #3

[Resenha] Céu de menta - Camila Martins

CompreAdicione ao skoob

     “Céu de menta”; autora: Camila Martins; Editora: Hope; 183 páginas.
Que doçura! Repeti isso diversas vezes enquanto lia esse livro precioso. Possui uma delicadeza, uma sensibilidade e uma emoção muito forte na narrativa. A construção de todos os personagens, até os secundários, é carregada de carinho.
    Ana é uma garota espectro autista que conhece João - um garoto gordinho que mora na casa ao lado - por meio de sua janela quando ele a convidou para brincar. Ela, com seus receios, teve medo, pediu que ele descrevesse como estava lá fora, incluindo a cor do céu. E assim ele fez, permitindo que ela saísse para brincarem.

[Poema] #25 Não há como fingir


Amar é difícil às vezes. Principalmente quando a pessoa amada não corresponde e não dá valor ao que lhe é apresentado. Não apenas isso, mas ainda assim, creio ser mais devastador, amar e ser considerado como idiota ou criança, simplesmente por demonstrar o que sente.