Ultimas

18 março 2019

[Resenha] "Muito além do tempo" e "A guardiã do tempo" - Alexandra Monir

     “Muito além do tempo” e “A guardiã do tempo”; duologia; série Timeless; autora: Alexandra Monir; Editora Jangada; 261 páginas e 231 páginas.
Vamos começar colocando uma música?

Compare e compre 1 e 2 ♥ Adicione ao Skoob 1 e 2 ♥
     Faremos agora uma viagem no tempo para encontrar um casal muito especial. Ele é pianista, ela é letrista. Ele é de 1910 e ela de 2010. Juntos são capazes de compor um romance que ultrapassa as barreiras do tempo.
     A música que estamos ouvindo é “Serenata” de Franz Schubert, essa é a música que embala o casal.
     Michele, que não teve contato com seu pai, criou um belo relacionamento com sua mãe, ela sabia que podia compartilhar qualquer coisa, até mesmo os sonhos recorrentes com um homem de olhos azuis. Em um dia fatídico, Michele perdi sua mãe para um acidente de carro e se vê obrigada a mudar-se para casa de seus avós.
     Acontece que seus avós são muito ricos, uma família influente, mas não haviam tido contato com ela e sua mãe e o motivo é algo tão sério que deixa Michele confusa ao saber que a própria mãe pediu para passar a tutela dela para os avós.
     Nessa mansão, ela é instalada em um quarto que passou por diversas gerações de jovens da família. O cômodo ainda mantinha alguns objetos dessas antigas ocupantes, inclusive de sua mãe. Havia uma chave que havia sido deixada para Marion (mãe de Michele) pelo pai de Michele. Esse objeto misterioso chamou a atenção da jovem que resolveu colocar em seu pescoço, como forma de ficar mais próximo aos pais.
     Mas é o diário de Clara, encontrado em uma gaveta, que traz uma grande mudança na vida de Michele. Ao começar a lê-lo, segurando a chave, ela é transportada para 100 anos antes de seu tempo, no mesmo local, naquela mesma casa que abrigava outras pessoas. Lá ela encontra, além de Clara, sua ancestral, o homem que vem perseguindo-a em sonhos desde que era uma garotinha. Apenas Clara e Philip são capazes de vê-la, o que a faz se passar por um “fantasminha camarada”.
     Philip também a reconhece, não de sonhos, como ela, mas de uma vez, no passado dele, em que a encontrou. Em um misto de encantamento e curiosidade, ele se aproxima de Michele, com o coração já dando sinal de um sentimento que ele ainda não sabia que desenvolvia. Com o seguimento do romance, vem a percepção de que esse relacionamento é impossível e que é melhor cada um seguir sua vida em seu próprio tempo, mesmo contra a vontade deles. Philip não aceita perdê-la e promete a ela que daria um jeito de ficarem juntos.
“Ainda estarei aqui em Nova York, estudando no conservatório de música. E, mesmo que o Tempo tenha cometido um engano ao nos colocar em séculos diferentes, ainda assim encontraremos um ao outro. Estamos juntos agora. Portanto, teremos que confiar no Tempo. Você não concorda?”
     Com o poder que tem, ela acredita que poderá mudar os acontecimentos por meio das viagens no tempo (o clichê de toda história que envolve essa temática), mas conforme ela toma decisões para alterar o percurso, ela percebe que não é capaz de mudar o que está programado para acontecer. Coincidentemente eu conheci recentemente uma palavra para isso: Maktub, que significa “estava escrito”, ou seja, que tinha que acontecer.
    O segundo livro engata no mistério deixado pelo final do livro anterior: Philip Walker está no tempo de Michele. Não exatamente o mesmo Philip, já que esse não se lembra dela e já possui toda uma vida nesse tempo. Mas após consultar uma mulher que tem o dom de falar com espíritos, ela descobre a possibilidade de reencarnação. Philip disse que encontraria uma forma de voltar pra ela e ela acredita que tenha sido essa a forma, mesmo que os amigos dela não acreditem que isso seja possível.
“E se for só eu que sinto as carícias que se perderam e o som dos risos que se foram, e que vejo nós dois em uma Nova York esquecida?
     O mistério sobre o pai dela também ganha mais atenção e ela fica determinada a encontrá-lo após achar um diário dele que revela como tudo aconteceu no passado, desde as viagens no tempo, como tudo começou para ele, até o relacionamento com a mãe de Michele. Além disso, existem mais pessoas que podem viajar no tempo, entre elas está uma mulher que quer vingança. Instigada pela curiosidade e desejo de vencer essa luta iniciada há um século, Michele vai atrás, arriscando a própria vida.
    É nessa trajetória que ela descobre mais sobre si mesma e que o romance vai se concretizando, dessa vez de forma mais real. É perceptível a intensidade do amor entre o casal, um amor que realmente perdura pelas linhas do tempo. Através das viagens, ela vê que Philip está destinado a ela, é o homem da vida dela, mas que foram amaldiçoados ao serem separados por um século. E talvez toda essa aventura seja necessária para corrigir esse equívoco, mas só ela, uma transtemporal, pode ter a capacidade para isso.
    O romance é totalmente instigante, envolvente e inteligente. O livro tem muita base histórica muito bem trabalhada e conquista pelas músicas que intercalam a narrativa. Ambos terem tanta influência musical torna a história ainda mais mágica. Todas asquestões que são impostas, são esclarecidas até o final do livro e é surpreendente como tudo acaba se encaixando tão bem, apresentando uma história linda, com um desfecho perfeito.

     O livro contém também uma playlist das músicas originais do livro feitas pela própria autora! (Achei isso tão, tão, tão incrível!) Para conhecer e ouvir enquanto lê o livro, acesse: https://www.alexandramonir.com/books/timekeeper/

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 Estante da Josy
Traduzido Por: Template Para Blogspot - Design by FBTemplates