[Resenha] A marca de uma lágrima - Pedro Bandeira

Escrevendo livros desde 1983 para crianças e até os mais adultos.
Imagem relacionada
Compare e compreAdicione ao skoob
     Através de uma peça de teatro o autor, Pedro Bandeira, se inspira e resolve escrever um livro: "A marca de uma lágrima".

     O livro conta em 174 páginas a história de uma garota chamada Isabel de 14 anos, que tem problemas de autoestima, mas é genial com as palavras. Ao ir numa festa com sua amiga Rosana, reencontra seu primo, Cristiano, já um pouco mais velho que ela. Há tempos eles não se viam e com o reencontro, ela vê o quanto ele cresceu e ficou bonito e acaba se apaixonando por ele.  
     Durante a festa, ela é beijada, mas talvez por causa da pouca luz no recinto, ela não tem certeza de quem a beijou, só consegue se recordar da corrente no pescoço, essa é a memória que ela carrega com tanto carinho. Apesar de não ter visto direito, ela tem plena confiança de que a correntinha pertence a Cristiano.
     O problema é que sua amiga também se apaixona por Cristiano e para piorar, pede ajuda para conquistar o garoto o que Isabel não consegue negar. Logo ela se vê escrevendo cartas de amor para o garoto que ama, mas a assinatura no final da carta não era a dela, era de Rosana.

     Mesmo com o coração sofrendo, Isabel entra em uma aventura envolvendo até um assassinato. Nesse momento que parece o mais improvável possível para o amor acontecer, ela se une para resolver o caso e acaba encontrando a verdadeira paixão.
Gostei muito dessa aventura não só pela minha admiração pelo autor, mas pelo jeito que conquista, que conquistou a maioria dos jovens à criar um gosto pela literatura, e a fome de ler livros e mais livros.
     Uma paixão de aventuras com uma pitadinha de suspense e uma cereja de ficção, mas com a alma e a convivência do autor na história.
     Uma receita maravilhosa para os jovens amarem a leitura e literatura, e viver nessa aventura...
“A marca desta lágrima testemunha que o amei perdidamente
Em suas mãos depositei a minha vida, e me entreguei completamente.
Assinei com minhas lágrimas cada verso que lhe dei
Como se fossem confetes de um carnaval que não brinquei.
Mas a cabeça apaixonada delirou
Foi farsante, vigarista, mascarada
Foi amante, entregando-lhe outra amada
Foi covarde que, amando, nunca amou!”

Nenhum comentário :

Postar um comentário