[Resenha] Não tão primos - Renan Merlin

"Não tão primos" (Editora Coerência; autor Renan Merlin; 196 páginas) O livro é uma literatura LGBT que inicia sua trama com uma grande dificuldade enfrentada pela maioria dos homossexuais. Bernardo apanha de alguns colegas colegas de escola após ser visto com outro garoto pelo qual ele era apaixonado. Depois disso, ele precisa conviver com o medo constante até que, para aliviar sua tensão, chega Gustavo, um primo distante (talvez meio primo, não tão primo) que o trata com um carinho muito grande.
A história não tem "aquele drama" de meio de livro como o convencional, ela ocorre toda na mesma densidade. Pequenos desafios, pequenos desentendimentos. Mas isso não elimina o desejo de acompanhar e querer saber o que se passa com Bernardo até o fim. A forma como ele enfrenta o preconceito, aceita ser ele mesmo, é algo que é transmitido para o leitor de uma forma muito positiva.
"Senti-me muito abandonado no decorrer da minha vida. Às vezes, me afastei de algumas pessoas por medo de que elas me julgassem, mas, na verdade, quem estava ali, sempre me julgando, era eu mesmo. A partir do momento em que você se aceita, começa a pegar mais leve com você mesmo e a se julgar menos, permite-se, desde modo, sair do casulo, bater as asas coloridas e ser feliz!"
O livro tem uma estética maravilhosa! Sou do tipo que compra livros pela capa sim, e esse seria um livro que eu compraria só pela capa de tão linda que é. Sabe aquela história de "Não julgue um livro pela capa"? Pois é, eu julgo sim, e normalmente não me arrependo. Tem uma capa linda e um conteúdo tão lindo quanto.

É importante deixar claro que a história não é apenas sobre superação, acredito que o foco nem seja esse, o foco é no romance. E sobre o romance que se desenvolve durante a história eu posso dizer que fiquei encantada. É algo puro que se desenvolve perfeitamente e tem uma compensação maravilhosa no final. Não espere grandes surpresas, espere uma história deliciosa de se ler em pouco tempo que pode até passar uma boa lição de vida.

Nenhum comentário :

Postar um comentário