[Resenha] Cabeças de ferro - Carol Sabar (Com playlist)

     “Tropa Azul diz o que é que você faz. Resolvo equações que assustam o Satanás!”
     Você já ouviu a expressão CDF? 
   Provavelmente já. Eu mesma ouvi muito e fui muito chamada assim. Eram chamados de CDF aqueles alunos extremamente estudiosos e inteligentes, que jamais deixavam de fazer os trabalhos e que nunca tiravam nota baixa. Mas apesar de sabermos o que significava, ninguém nunca sabia o que significava cada uma das letras da sigla, certo? 
     Se tem outro significado, eu não sei, mas na Universidade de Ponto Sem Nó, CDF é um termo para “Cabeças de ferro”. Afinal, uma vaga para essa universidade é concorridíssima, e só os alunos muito inteligentes é que conseguiam ingressar os estudos lá.
     Malu, nossa protagonista, é uma dessas Cabeças de ferro. Uma garota com memória de elefante, sempre ficou em primeiro lugar em todas as competições e conseguiu sua vaga em Engenharia de Produção na UPN (Universidade de Ponto sem Nó)
     Além da fama de alunos brilhantes, a UPN também era conhecida por aplicar o trote vexatório mais terrível de todos nos calouros de engenharia. Na verdade a Universidade repudia essa ação, mas os veteranos a desenvolviam mesmo assim. 
    Malu já estava preparada para passar por isso, mas não esperava pelo que realmente aconteceu.
No dia do trote, seu melhor amigo Nicolas a levou até a Universidade, mas foi impedido pela garota de ficar ao lado dela. Nicolas é um garoto lindo, carinhoso e muito protetor desde que eles tinham se beijado. Tinha sido só um beijo, mas aparentemente, Nicolas não via dessa forma.
   Já na organização para receber a brincadeira, Malu percebe que quem aplicaria o trote nela seria Artur, o inimigo dela desde a infância. O responsável por ela ter sido caçoada por anos e por ter recebido o apelido de Pikachu.
   Mas ao contrário do que ela imaginava, ao invés dele jogar a substância que carregava na cabeça dela, ele despejou na cabeça da garota ao lado, a Mariana, que no mesmo instante sofreu um choque anafilático. E em seguida começou a perder cabelo e desmaiou. Com essa confusão, a multidão se dispersa e a ambulância chega ao local.
   Tudo parecia apenas um acidente. Mas as mentes geniais de Artur e Malu sabiam que tinha mais coisa envolvida. Não foi por acaso, foi uma tentativa de assassinato. Na substância tinha ácido agressílico, o que tinha sido responsável por despertar a reação alérgica na caloura que saiu desacordada do campus. E a substância deveria ter sido aplicada em Malu!
    Juntos, os dois resolvem deixar as divergências de lado para trabalharem juntos nesse caso.  Mas a linha entre o amor e ódio nós sabemos que é muito próxima. Malu sente uma atração forte por Artur, mas resolve entregar seu coração a Nicolas. Tinha tudo para ser um triângulo amoroso, mas apesar do coração da garota ser balançado, o cérebro dela é quem comanda. E a vontade de ter o caso resolvido é mais forte e quanto mais se aproxima de resolver, mais “acidentes” acontecem com ela. 

Resultado de imagem para carol sabar
   Eu conheci a autora (Carol Sabar) com o livro  "Como (quase) namorei Robert Pattinson", porém não foi esse o primeiro livro da autora que li, na verdade, até o momento eu não li este que foi o romance de estréia da Carol. Na época, a viciada em crepúsculo (eu) ficou muito interessada na história desse livro, porém nunca tive condição de comprar. Um dia, eu estava passeando pela livraria, quando encontrei “Azar o seu” em promoção e vi que era escrito pela mesma autora, então não pensei duas vezes em levar. Ele foi um livro que me apresentou e me fez me apaixonar pelo gênero chick-lit. Eu gostei tanto que quando soube do lançamento de “Cabeças de ferro”, fiquei curiosíssima e felizmente, agora eu tive a oportunidade de ler! Porém ainda me falta "Como (quase) namorei Robert Pattinson", fica a dica aí para quem quiser me presentear lálálálálá.
    Como eu tive uma experiência muito positiva com a autora, eu já imaginava que iria adorar esse novo livro. Ele é extremamente bem escrito e muito divertido, me fez rir como criança. 
“Ai, meu Deus, eu era digna de pena, era sim. Era dissimulada. Perto de mim, a Capitu do Machado de Assis era uma santa, pois pelo menos tinha a seu favor o benefício da dúvida”
    O livro me enganou direitinho. Eu esperava um infanto-juvenil mas ele vai bem além disso. Com conteúdos adultos, ele desenvolve diversas temáticas sem perder o senso de humor, sem perder o mistério. Os acontecimentos são tão envolventes que você se pega tentando desvendar o caso também. E torcendo para uma certa coisa acontecer... 
    Além disso, outra coisa que me deixou encantada pelo livro é ter uma personagem “nerd” que não aderi os estereótipos. Malu é muito bonita e muito ligada em moda, inclusive. Esse fato me chamou tanto a atenção, que decidimos retratar isso em um novo post. Trouxemos a Malu na coluna do “look literário”, caso você não tenha visto ainda, você pode conferir o look que escolhemos para ela (clicando aqui).

Essa é a primeira resenha até agora que fiz até agora que contém duas playlists. Uma já continha no livro e a outra eu montei a partir das músicas que foram sendo citadas no decorrer da história. Ouçam as playlist e conheçam um pouco mais da história.
Beijos ♥



                                                                     Playlist
                                                                              
                                                             

                                                              Playlist do hospital

Nenhum comentário :

Postar um comentário